Hotel Nacional reabre no Rio de Janeiro carregando o nome da rede Meliá

Declarado patrimônio do município em 1998 e projetado por Oscar Niemeyer, o prédio abre suas portas após ter permanecido abandonado por vinte anos

  • Por:Odhara Caroline
  • 12 dezembro 2016
giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-012

O Hotel Nacional tem vista para a praia de São Conrado

Quando Oscar Niemeyer projetou o Hotel Nacional, pode-se dizer que o objetivo do arquiteto modernista tenha sido criar, na verdade, uma torre de observação. Contudo, as suas janelas, que dão para a rica paisagem natural do bairro de São Conrado, Rio, ficaram empoeiradas por mais de 20 anos. O hotel, aberto em 1972, fazia parte da rede Horsa, que, com dificuldades financeiras, o vendeu para a Interunion Capitalização — a qual, por sua vez, decretou falência no início dos anos 1990 e, em 1995, o Hotel Nacional foi fechado.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-014

Agora o prédio leva o nome de “Hotel Nacional Gran Meliá”

Mas no dia 15 de dezembro, as portas que se abrem para a praia de São Conrado serão destrancadas novamente, agora com o nome “Hotel Nacional Gran Meliá” e com a concepção de resort urbano. O prédio fora adquirido em 2009 pelo empresário Marcelo Limírio por R$ 85 milhões e estava anteriormente sob o controle da Susep, a Superintendência de Seguros Privados, uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-010

A Meliá, rede de hotéis espanhola que dá nome ao prédio, assumiu a gestão da construção projetada por Niemeyer

A Meliá, rede de hotéis espanhola que dá nome ao prédio, assumiu a gestão da construção projetada por Niemeyer por 20 anos, além de ter tido o controle do Grupo HN Participações e Empreendimentos Ltda, que fora criado para restaurar o hotel por meio de um investimento de R$ 400 milhões. O novo hotel oferecerá 417 quartos, incluindo duas suítes presidenciais e dez executivas, assim como um centro de convenções.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-016

A arquiteta Debora Aguiar foi uma das responsáveis pelo projeto de interiores do Hotel Nacional

A arquiteta Debora Aguiar foi uma das responsáveis pelo projeto. Ela assina todas as áreas comuns do espaço, além dos andares VIPs e a cobertura. Foi tomado todo o cuidado para preservar os traços de Niemeyer. Na entrada do hotel foram criados pequenos lounges e ilhas de aconchego. Painéis, biombos e balcões foram desenvolvidos em ondas e curvas para fazer uma alusão ao mar, aos peixes e às caudas das sereias. Tapetes ovais e pendentes cilíndricos complementam a decoração.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-05

A arquiteta Debora Aguiar concebeu pequenas ilhas nas áreas comuns para conforto dos hóspedes

As obras da reforma ficaram por conta da Construtora Orca, a qual se envolveu em uma grande polêmica ao incluir no projeto a construção de duas torres residenciais na parte posterior do hotel, cuja venda serviria para financiar o projeto. Os moradores do grupo SOS São Conrado, que luta pela preservação da praia, protesta contra o aumento da população que as novas residências acarretaria — as duas torres totalizariam 260 apartamentos.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-07

Em seus tempos áureos, o Hotel Nacional fazia frente ao Copacabana Palace

A previsão inicial era de que o Hotel ficasse pronto a tempo dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que aconteceram em junho. Em seus tempos áureos, o Hotel Nacional fazia frente ao Copacabana Palace, e pretende retomar o seu lugar: ele promoverá um baile de gala no mesmo fim de semana (e nos mesmos moldes) que o antigo rival, de acordo com informações de Adalberto Neto no jornal O Globo.

giz-viagem-hotel-gran-melia-rj-foto-denilson-machado-02

O prédio cilíndrico, todo de vidro, oferece visão panorâmica da paisagem para os hóspedes

“Ao iniciar o estudo deste projeto, minha preocupação foi preservar o local, a natureza magnífica, a silhueta das montanhas”, explicara Niemeyer sobre sua construção em São Conrado. “Por isso evitar uma solução mais extensa, que cortaria a visibilidade como um muro, preferindo uma construção em altura e a paisagem preservada em suas características naturais e em sua beleza”. O prédio cilíndrico, todo de vidro, oferece visão panorâmica da paisagem para os hóspedes. O Hotel conta também com projeto paisagístico de Burle Marx. Em 1998, o prédio foi tombado como patrimônio do município do Rio de Janeiro e já foi considerado o mais moderno da América Latina.

Hotel Nacional Gran Meliá
Av. Niemeyer, 769, São Conrado, Rio de Janeiro, RJ melia.com

Conteúdos Relacionados