Houssein Jarouche promove restauro de “Prédio Sé”, edifício histórico no Centro de São Paulo

Projeto foi feito em parceria com o Estúdio 20.87, em que o restauro de um dos primeiros edifícios comerciais da cidade pretende revitalizar a região central paulistana

  • 7 julho 2017

giz-predio-se-02

O “Prédio Sé” é uma iniciativa que incorpora o escopo de ideias do empresário Houssein Jarouche de seguir com uma atuação em prol da revitalização da região central e histórica de São Paulo. O novo projeto, feito em parceria com o Estúdio 20.87 e inaugurado no fim de junho, trata-se de uma ação privada de renovação e de redesignação funcional de um dos primeiros edifícios comerciais da cidade, localizado na região da Praça da Sé e datado de 1905.

giz-predio-se-01

Foram as ideias do professor, urbanista e arquiteto português Nuno Portas sobre as transformações urbanas bem-sucedidas serem fruto de projetos de intervenção “imateriais” e culturais que pautaram o empresário dono da Micasa e entusiasta de obras de design.

giz-predio-se-03

O projeto do “Prédio Sé”, de acordo com esse pensamento de complementar o cenário físico existente, parte a princípio da completa renovação estrutural, que apresentava avançado processo de degradação e abandono. O restauro segue a estética low tech, característica presente em outros projetos do Studio 20.87, e preserva os elementos estéticos do recinto, além das marcas da ação tempo.

giz-predio-se-04

Segundo os envolvidos, a nova proposta de uso do espaço tem uma essência orgânica e mutante que faz o prédio assumir funções de cenário, de ambiente de experiência e de palco cultural responsável por abrigar exposições, editoriais e desfiles de moda, filmes publicitários, cinema, palestras, eventos e também shows.

giz-predio-se-05

Essa ideia de um ambiente esteticamente forte e autoral, que, ao mesmo tempo, é moldável a utilizações distintas, propõe uso responsável e permanente do Prédio Sé, calcado em um projeto sério de recuperação urbana baseado em ações de iniciativa privada. “Entende-se que esses movimentos mudam os fluxos sociais, devolvem vida para o centro e entregam novas propostas culturais a uma cidade tão carente desse tipo de ação”, dizem os responsáveis.

giz-predio-se-06