Fortaleza ganha um dos maiores acervos fotográficos do Brasil

O MFF – Museu de fotografia de Fortaleza – que ainda ganhou projeto arquitetônico de Marcus Novaes coloca a capital cearense na rota das artes

  • 18 Abril 2017

GIZ-MUSEU-FORTALEZA-05

Uma das mais famosas fotos de guerra da história da fotografia – em Córdoba, um miliciano da guerra civil espanhola ocupa a metade esquerda da foto, em impressionante e preciso arranjo. Sua camisa branca, seu corpo caindo, a arma saindo de sua mão e a estranheza de sua posição provocam o drama, que, seguramente, não foi pensado pelo fotógrafo húngaro Robert Capa (1913 / 1954) quando a lente de sua Leica capturou esta cena, em 1936. Ainda mais quando comparamos esta fotografia com a pintura Três de Maio, de Goya (1808) : em ambas as obras, o foco está na metade esquerda do campo visual, em ambas a camisa branca reluz sobre o campo visual – uma aula de composição. Fazendo companhia à esta foto, estão outras igualmente famosas – como o magnífico retrato de Dorothea Lange Migrant Mother, retratando uma belíssima mulher no auge do que foi chamado de “A Grande Depressão” nos USA (1928). Encontramos também o Gigante de Paruro do peruano Martin Chambi, de quem sou fã incondicional. Acresce-se a este panteão um Cartier-Bresson de respeito, a conhecida fotografia Homem Saltando; um retrato de Igor Strawinsky por Arnold Newman; o contemporâneo e über-famoso retrato de Steve McCurry Menina Afegã; algumas preciosidades de Marc Ferrez, Marcel Gautherot e Pierre Verger; obras de Mario Cravo Neto – que provocam amor ou afastamento, nunca o meio termo ; o surrealista Man Ray – e mais não vou citar pois a lista de coisas ótimas é longa, com raríssimas obras frágeis, como o trabalho da colombiana Adriana Duque.

GIZ-MUSEU-FORTALEZA-02-2

Estamos falando do MUSEU DE FOTOGRAFIA DE FORTALEZA, uma obra impressionante com acervo idem, que compreende dois séculos de fotografia. Iniciativa louvável dos colecionadores Paula e Silvio Frota, as exposições que inauguraram o MFF foram situadas em “conjuntos”, com curadoria de Ivo Mesquita. Dois blocos impressionam – Um imaginário de cidades reúne obras de diferentes fotógrafos e períodos que representam ou evocam a cidade, a vida no espaço urbano, arquitetura e história. Em outro – Sobre crianças – um significativo conjunto de imagens referentes à infância (ou ao imaginário infantil). Vale a pena resssaltar o núcleo de imagens sobre o Norte / Nordeste do país, através do olhar de fotógrafos originários ou não da região – aqui vemos as obras de Pierre Verger, Marcel Gautherot, Chico Albuquerque, Celso Oliveira (com uma impressionante e erótica foto do Círio de Nazaré), Elza Lima e outros.

GIZ-MUSEU-FORTALEZA-04

Mas não é somente o acervo que impressiona. Também chama a atenção a arquitetura deste museu, a cargo do arquiteto Marcus Novais, que foi convidado pelo proprietário das obras para que fizesse um museu para sua extensa coleção. Segundo Novais, “…ao sermos apresentados à toda coleção,percebemos ali que o Museu era algo muito mais valioso do que imaginávamos – mas o próprio cliente era uma espécie de consultor museográfico, devido à sua grande experiência e interesse na área…mas foi realmente algo singular, pois foi a primeira vez que trabalhamos para um museu, com suas particularidades…” Com cinco pavimentos , o edifício foi tratado de maneira “hermética” no que se refere à abertura de janelas e peles de vidro, em virtude da proteção das obras em uma cidade tão solar. Para tanto, foi projetado um átrio central que traz a iluminação filtrada por brises que atravessa o edifício de cima a baixo. O corpo central do edifício foi envelopado com chapas metálicas perfuradas, soltas das paredes externas, criando uma fachada ventilada e amenizando significativamente a transmissão de calor na parte externa do edifício. Vale a pena ressaltar que se trata de um retrofit, pois parte do prédio era existente.

GIZ-MUSEU-FORTALEZA-06

Acima de tudo, louva-se a iniciativa dos colecionadores Paula e Silvio Frota em, num país como o Brasil, onde arte e cultura são comumente ferramentas para a realização de um negócio (ou negociata, às vezes…). O legado concebido por esta ação – um Museu dedicado à fotografia –e, consequentemente, à história, com espaço expositivo e acervo de qualidade internacional, uma programação de cursos, eventos e ações educativas com mestres e figuras reconhecidas no meio, em um país onde museus fecham provisória ou indefinidamente (vide Museu do Ipiranga em São Paulo, Fundação Iberê Camargo em Porto Alegre, Museu Nacional no Rio de Janeiro e outros), torna Fortaleza um destino obrigatório.

GIZ-MUSEU-FORTALEZA-03

Museu da Fotografia de Fortaleza
museudafotografia.com.br