De onde brotam as ideias: paisagista Alex Hanazaki abre seu escritório em São Paulo para a GIZ

Sopro mais criativo do paisagismo contemporâneo brasileiro, Alex Hanazaki assina um trabalho de forte apelo sensorial e emocional que transbordou as fronteiras – e abre seu novo “canteiro de projetos” com exclusividade para GIZ

giz-hanazaki-foto-denilson-machado-mca-06

Os jardins suspensos de Hanazaki são escoltados por móveis Todeschini, revestimentos VER e esquadrias Yazul. Entre as espécies de plantas: xanadus, íris, costelas-de-Adão e samambaias | Foto: Denilson Machado (MCA Estúdio)

O artista plástico Roberto Burle Marx (1909-1994), estandarte máximo do nosso paisagismo, dizia que “o jardim é a natureza organizada pelo homem e para o homem.” Alex Hanazaki, discípulo do mestre na difusão daquela que é considerada uma das mais humanas das artes – a que compreende o oxigênio e a continuidade do espaço de habitar –, levou o ditado às últimas consequências ao apostar em uma espécie que poucos de sua seara sabem cultivar: a originalidade. “Paisagismo é qualidade de vida. E eu gosto de tratar essa qualidade de vida como arte”, diz. Talvez por isso, a nova encarnação de seu escritório traga uma obra rara de Burle Marx em destaque na parede.

giz-hanazaki-foto-denilson-machado-mca-03

Pintura do legendário paisagista Roberto Burle Marx, sofá Otto by Guilherme Torres, vaso e tapete Nani Chinellato | Foto: Denilson Machado (MCA Estúdio)

Seu QG, plantado numa casinha de vila em Pinheiros, São Paulo, com extreme makeover fresquinho assinado pelo próprio – com palpites de alguns amigos arquitetos, é claro –, ficou ainda mais babilônico. Com pele de madeira cumaru contracenando com paredões verdes, o melhor da mobília italiana (made in Casual), design de autor (sofás e mesas de Guilherme Torres), trabalhos de Yuri Seródio (seu companheiro e braço direito, não por acaso, um fotógrafo de mão cheia e lente esperta), garimpos vintage e pintura artística de Giuliano Martinuzzo, entre outros que tais, o neo-office é uma ode à bossa brasileirinha, mas sem caricaturas ufanistas – ao contrário: seu arado corre mesmo é por sendas cosmopolitas. Com trabalho autoral que o colocou entre os maiores nomes do paisagismo moderno no Brasil, o paulistano de Presidente Prudente formado em arquitetura, e apaixonado pela geometria e sensualidade da flora tropical, passou por grandes escritórios antes de se lançar em voo solo.

giz-hanazaki-foto-denilson-machado-mca-04

Mesa Fifties by Guilherme Torres, estante Todeschini, arandelas Teo e cadeiras De Padova para Casual Móveis | Foto: Denilson Machado (MCA Estúdio)

Há 15 anos no front do business que leva seu nome, entrega projetos completamente antagônicos – mas repletos de identidade – que orbitam obras de pontos cardeais da arquitetura contemporânea, como Roberto Migotto, Sig Bergamin e Debora Aguiar, entre dezenas de outros. Também é parceiro de grandes players da incorporação, como Queiroz Galvão, Brookfield, Even e Vitacon. Após entregar obras nos EUA, na Arábia Saudita, no Marrocos e na Alemanha, a consagração absoluta foi quase um rito de passagem que o levou até onde nenhum outro brasileiro de sua área chegou até hoje: Hanazaki recebeu o Professional Awards 2014 da ASLA (American Society of Landscape Architects), como idealizador do melhor jardim do mundo naquele ano.

“Paisagismo é qualidade de vida. E eu gosto de tratar essa qualidade de vida como arte”

Também foi o único escritório brasileiro convidado a construir um jardim permanente, em referência às florestas tropicais da América Latina, para a GreenInc Group de Berlim, com inauguração prevista para 2017. “Um desafio e tanto, já que tenho que representar culturalmente o Brasil sem usar uma única espécie nativa, que jamais sobreviveria ao rigoroso inverno europeu”, diz este descendente da terceira geração de uma família de imigrantes japoneses acostumados a transpor barreiras. Se a vida é passagem, para Hanazaki, um legítimo intérprete e reorganizador da natureza, tal e qual pregava Burle Marx, ela é muito mais paisagem.

giz-hanazaki-foto-denilson-machado-mca-01

Escultura de Frans Krajcberg, par de poltronas vintage NN Antiques, mesa e tapete Nani Chinellato | Foto: Denilson Machado (MCA Estúdio)

Alex Hanazaki
alexhanazaki.com.br

Conteúdos Relacionados