Alegria, alegria: aposte no frescor do design lúdico e divirta-se em casa!

Tendência das mais expressivas no décor contemporâneo, fun design faz a cabeça da molecada – de 8 a 80 anos

  • 18 novembro 2016

giz-vitra-alexander-kanygin-1

Já faz algum tempo que o minimalismo e suas variações de bege não andam causando muita comoção nas casas brasileiras. Uma das tendências mais expressivas na decoração contemporânea nos quatro cantos do planeta, o fun design (desenho divertido, numa tradução livre) varre os valores mais cartesianos para debaixo do tapete com muita bossa e nenhuma cerimônia. E não estamos falando das versões infantis de clássicos do design como Saarinen e Jacobsen, em suas indefectíveis cadeiras de acrílico e poliuretano que estampam as vitrines mais concorridas do circuito.

giz-design-cheios-de-graca-magis-puppy-chair-2
São peças simples, carregadas de humor, que superexploram as cores vivas e as formas lúdicas para quebrar um pouco a formalidade do espaço doméstico. Uma técnica que faz a cabeça dos arquitetos mais descolados desde muito antes da explosão da toy art – os bonecos tipo mangá, que viraram febre no Japão dos anos 1980 e transbordaram para o mundo. O paranaense Guilherme Torres, colecionador de brinquedos antigos, é um dos maiores entusiastas da estética. “Desde sempre guardei meus brinquedos porque os achava lindos: Ferrorama, carrinhos bate-volta, Genius e Atari”.  Torres mantêm em casa alguns ícones do gênero, como a célebre banqueta em forma de elefante que Charles Eames delineou em 1945, e que se tornaria o maior estandarte do fun design mundial, dado o peso da assinatura (um dos papas da indústria moveleira americana).

giz-elephant-charles-and-ray-eames-vitra
“Acho importantíssimo inserir memória afetiva ou o próprio universo infantil dos filhos no décor. Um banquinho, uma poltrona, um toy. São as marcas de quem habita o espaço”, completa. Por essas e outras, muitas pranchetas investem alto no apelo lúdico de seus móveis e objetos – para alegria da petizada. Um dos maiores sucessos de Fernando e Humberto Campana é justamente a poltrona Banquete, de 2002, feita com bichos de pelúcia. No mesmo mood, Luciana Martins e Gerson Oliveira, o duo por trás da Ovo, transformaram seu cabideiro em forma de bolinha de sinuca em hit do design moderninho nos anos 2000.

giz-design-cheios-graca-cabideiro-ovo-02

A mesa Tipográfica da paulista Roberta Rampazzo, feita com letras do alfabeto ou os troféus de caça de madeira compensada do Acta Estúdio já viraram febre nas mostras do segmento. Também não se pode deixar de lado o trabalho do americano Benjamin Rollins Caldwell, que criou uma cadeira com blocos coloridos de madeira à moda Lego batizada de 123ABC Collection; e na mesa-gangorra da designer holandesa Marleen Jansen. No sobe e desce das tendências decorativas, o fun design parece que veio pra ficar.

giz-design-cheios-graca-mesa-table

Jayme Bernardo brinca na linha Toy

O designer e arquiteto traz duas peças versáteis com pegada de escultura e cores vibrantes

giz-design-cheios-graca-jayme-bernardo-dieedro-toy-08

Coleção de bonecos Toy, assinada por Jayme Bernardo, para a Fiberglass

Com cores vibrantes e design divertido, Jayme Bernardo foi buscar inspiração nos bonecos de toy art para a sua nova linha, TOY. Comporta por duas peças, elas são, basicamente, bonecos em diferentes posturas – um em pé, outro sentado – em que as cabeças servem como o tampo de uma mesa ou o assento de um banco, você quem escolhe.

Por se tratar de uma linha com pegada mais escultórica, a TOY exigiu um processo de criação diferente de Bernardo, e muitas horas de estudo foram usadas para que um resultado harmônico nas proporções das duas peças e no formato da cabeça dos bonecos fosse atingido.

A linha Toy é produzida em laminação de Fiberglass e está disponível em várias cores.

Conteúdos Relacionados