Revista Giz

04 Ago 2017 - Out 2017

#4 | Diáspora das Cores

PIB

Diogo Giácomo Tomazzi apresenta nova série inspirada nas formas orgânicas modernistas

Com shape e performance de “x-designer”, o arquiteto Diogo Giácomo Tomazzi apresenta sua Coleção Modernista, a bandeira do esforço hercúleo que as pranchetas de sua geração empreendem em missões quase impossíveis

  • 23 outubro 2017

giz-4-pib-GIACOMO-TOMAZI-2

A seis lâminas de adamantium de distância de ser um Wolwerine – ele não é a cara do Hugh Jackman na saga X-Men? –, Diogo Giácomo Tomazzi, 38, recorta suas peças com a mesma precisão de uma navalhada do mutante. A geometria neomodernista se destacou entre tantos outros criativos-guerreiros (realizar um projeto de mobiliário no Brasil não é para os fracos) na última edição da feira MADE (Mercado de Arte e Design).

giz-4-pib-GIACOMO-TOMAZI-4

Natural de Itajaí, Tomazzi empunhou os canudos de Arquitetura e Urbanismo na UFSC e de Desenho Industrial na Universidade de Santa Catarina. Há pouco mais de uma década, deixou o QG em Floripa para atuar em Sampa – de lá pra cá, passaria por escritórios de estilos díspares, que vão do de Fernanda Marques ao de Carlos Rossi. Nas paralelas, abriu seu próprio estúdio desenvolvendo peças personalíssimas em séries limitadas, plasmando o artesanal e o industrial – um exemplo latente da batalha que é para um novo talento crescer e aparecer na era da contenção das grandes fábricas, que raramente abrem alas para gente nova. O lado bom? “Reforcei a ideia de projetar o que realmente acredito.

giz-4-pib-GIACOMO-TOMAZI-5

Daí fui atrás de empresas parceiras individuais, especializadas em determinadas matérias-primas e apostei na expressão daquilo que sou”. Sua Coleção Modernista passa pelo “regaste das formas orgânicas de Burle Marx, pelas linhas de Niemeyer, pela leveza de Olavo Redig de Campos, pelos traços fluídos de Portinari”, explica. A inspiração rendeu peças que levam a arquitetura para outra escala: o bar de vidro e metal realizado pela Vidrolaser, as mesinhas componíveis de minerais brasileiros com uma forcinha da Montblanc, e o tapete de fibra sintética da by Kamy conversam entre si e criam um diálogo que remete a um passado revisitado por uma nova proposta de composição e proporções, valorizando os contrates. Para o alto e avante!

giz-4-pib-GIACOMO-TOMAZI-1

Giacomo Tomazzi Studio
giacomotomazzi.com