Revista Giz

04 Ago 2017 - Out 2017

#4 | Diáspora das Cores

Risca de Giz

Risca de GIZ: Desvio para o vermelho

Cor de elevada personalidade e efeito visual idem, o vermelho transborda do coração humano e pincela o mundo da moda – e do design – na tonalidade mais quente da cromoterapia

  • 24 outubro 2017
giz-4-risca-de-giz-vermelho

À esquerda, Valentino. À direita, Max Mara

A mais influente editora de moda de todos os tempos, a francesa Diana Vreeland, deixou registrado a quem interessar possa: “Vermelho é a cor mais elucidativa – iluminada, purificante, reveladora”. Voilà: em seu apartamento nova-iorquino, ela envelopou o estar inteiro na tonalidade sangue, pontuada por motivos florais estilizados. “Queria morar em um jardim, mas queria que fosse um jardim no meio do inferno”, satirizava à época. Ou nem tanto – no planeta fashion, há um fogo que arde sem se ver. Valentino Garavani que o diga: em 1964, quando o estilista estava apenas engatinhando nas passarelas – e Mademoiselle Vreeland já ocupava o cargo de editora da Vogue América, posto hoje ocupado pela temível Anna Wintour (a mulher que inspirou o longa-metragem O Diabo Veste Prada) –, o italiano a conheceu. “Um gênio se destaca a partir do momento em que é revelado ao mundo. Eu vejo um gênio em você. Boa sorte”, canetou a legendária fashionista ao amigo que ficaria conhecido exatamente pelo seu apreço pela cor… vermelha! E que fique bem claro: Diana Vreeland amava vestir Valentino. Antes mesmo de escrever ao estilista elogiando sua genialidade, ela expressou seu apoio de uma outra maneira muito mais objetiva: encomendou um vestido da marca. Favorito disparado da dupla VV, o vermelho então tomou de assalto o mundo da moda, compondo alguns dos looks mais inesquecíveis de que se tem notícia até os dias de hoje, em um esquema cromático só para os mais fortes – e onde os fracos não têm vez. O circuito do design reflete esse poder de fogo e aciona o matiz para dar à luz peças das mais emblemáticas, que funcionam como um ponto de exclamação – ou, por que não, um statement – na casa contemporânea.