Revista Giz

02 Fev 2017 - Abr 2017

#2 | Nenhuma Nudez Será Castigada

DROPS

Conheça os destinos italianos-desejo da temporada

A jornalista Patricia Favalle conta tudo sobre a rota charmosa que inclui Catânia, Veneza, Taormina

giz-2-italia-hotel-cipriani-belmond

Vista privilegiada do hotel Cipriani Belmond

Não foi apenas o coração do galã George Clooney que Veneza conquistou. Berço do compositor Antonio Vivaldi, a capital do Vêneto é formada por 117 ilhotas, 409 pontes e um skyline que soma obras com ornamentos de baixo-relevo, conhecidas como pateras, palácios, basílicas, praças e campanários. Caminhar por suas ruelas é um convite para perder-se entre casebres sobrepostos, restaurantes tradicionais, a exemplo da cantina Da Ivo (ristorantedaivo.it), de Ivo Natali, inaugurada em 1976, e frequentado por Clooney e sua turma de famosos, e bares icônicos – caso do Harry’s (harrysbarvenezia.com) favorito de Charles Chaplin e Ernest Hemingway graças ao drinque Bellini. Por sinal, o coquetel cor-de-rosa assinado por Giuseppe Cipriani também figura como vedete no Gabbiano Bar, pilotado por Walter Bolzonella, localizado no mais emblemático hotel do pedaço, o Cipriani Belmond, fundado em 1958, em um edifício do século 15 repaginado para servir de bunker luxuoso. O endereço conta com 95 acomodações, restaurante com estrela no Guia Michelin e piscina olímpica com água filtrada. Ao desembarcar ali, os visitantes são ciceroneados por um atendente simpático que cantarola o Sudarto Nnammurato, uma música napolitana de Aniello Califano. Nos interiores, a imponência é tramada por obras de arte, peças clássicas e muito mármore.

giz-2-italia-restaurante-oro

Uma das receitas que compõem o menu do restaurante Oro

Jantar no Oro é obrigação de quem aprecia gastronomia requintada. O layout foi revitalizado por Adam D. Tihany, que optou por exibir o teto folheado a ouro, pontuado por um enorme lustre de murano. Ao redor, as esculturas de Luciano Vistosi e os candelabros de vidro Venini garantem harmonia às receitas assinadas pelo chef Davide Bisetto.
Na urbe, a dica é fazer o passeio pelo centro de Veneza, que inclui tomar café no Florian (caffeflorian.com), aberto em 1720, que serviu de base para o filósofo Jean-Jacques Rousseau e o escritor alemão Goethe, subir até o rooftop da Fondaco dei Tedeschi (dfs.com), invenção de Rem Koolhaas para admirar o movimentado Grand Canal, e conhecer o trabalho de Marisa Convento (marisaconvento.it),
designer de joias que resgata o murano usado em culturas tribais africanas. No retorno ao hotel, vale passar pelo spa e testar um dos tratamentos especiais para relaxar.

giz-2-italia-grand-hotel-timeo

Vista do Grand Hotel Timeo

Sem conjugar o futuro
Na ponta extrema da Itália, os hábitos e os moradores soam mais divertidos, com aqueles gestos impulsivos e falatório a muitos decibéis de altura. Catânia é a cidade mais estruturada da região do Monte Etna. O roteiro tem seu charme, com igrejas contadas às centenas, avenidas enormes e comércio fervido. Entre a sina colossal, há espaço para pessoas interessantes, como Ruggero Moncada, herdeiro do Palazzo Biscari, Alberto Graci, dono da vinícola Graci, e Marella Ferrera, artista que une texturas do design e da moda.

giz-2-italia-hotel-villa-sant-andrea

Registo do hotel Villa Sant’Andrea

Começando pelo nababesco Biscari (palazzobiscari.com), o tour é comandado pelo próprio conde Ruggero, que explica como o prédio datado do século 17, desenhado por Alonzo Di Benedetto, com afrescos de Matteo Desiderato e Sebastiano Lo Monaco, incorporou as intervenções de Giuseppe Palazzotto e de Francesco Battaglia. Colado a ele está o ateliê-loja de Marella (facebook.com/Marella-Ferrera), onde é possível ver as suas incursões experimentalistas. A visita termina com um brunch na Graci (graci.eu), depois de uma aula do sommelier Alessandro Pugliesi sobre as uvas da região.
Nas redondezas está a bela Taormina, típica comuna sulista, que tem em seus domínios o Villa Sant’Andrea e o Grand Hotel Timeo, ambos da rede Belmond. O primeiro é mais cool, ideal para famílias e casais jovens que adoram colocar o pé na areia e dançar ao som de um músico que dedilha Beatles tão bem como o classicão Brucia la Terra, de Nino Rota, que inspirou a música-tema do filme O Poderoso Chefão. Já o Timeo, de 1853, vizinho das ruínas do Teatro Grego, de 3 a.C, guarda atmosfera romântica, com toques elegantes exibidos no mobiliário barroco e na vista para os penhascos. O público que circula por seus corredores curte os drinques elaborados pelo barman Alfio Liotta e não perde a culinária que tem pescado e cordeiro regada aos quitutes como granita – um sorbet de frutas denso servido no brioche.

giz-2-italia-poltrona-donna-murano-barbini

Poltrona Donna , design Gaetano Pesce, Casual Móveis e Bowl de murano Barbini, Itália 1950, NN Antiques

No dialeto da Ilha, o verbo sempre é dito no presente. Talvez seja uma forma de contemplar a vida sem se dar conta da fúria do Etna, tido como um vulcão traiçoeiro. A tranquilidade é uma característica taorminense, assim como as testas e os pinecones (cabeças e pinhas de cerâmica) usados como vasos e talismãs, e a medusa de três pernas, chamada de Trinácria.
Efervescente, a city tem vocação para as baladas. Em suas esquinas estão casas noturnas, bares e restôs, que no auge da temporada recebem pesos-pesados que vão de Domenico Dolce e Stefano Gabbana à top Naomi Campbell. E todos vão atrás de festas sem flashes. É essa a essência local: brilhar sem ofuscar – uma ode capaz de enfeitiçar a gregos e a troianos. *A jornalista viajou a convite do Grupo Belmond e da Alitalia

Cipriani Belmond
belmond.com/hotel-cipriani-venice

Grand Hotel Timeo
belmond.com/grandhoteltimeo

Villa Sant’Andrea 
belmond.com/villa-sant-andrea-taormina-mare